Alecrim-pimenta

IDENTIFICAÇÃO

Lippia sidoides Cham.

Verbenaceae

-

Sinonímia

Espécie

Família

Ref.: (1); (2); (3); (4)

Nome Popular

Alecrim-pimenta, alecrim-bravo

Parte utilizada/órgão vegetal

Folhas e flores.(2)

Anti-inflamatório, antisséptico da cavidade oral, afecções da pele e couro cabeludo. Antisséptico tópico, antimicótico e escabicida.(2)

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS

 

A infusão não deve ser usada em inalações devido à ação irritante dos componentes voláteis. Não usar a tintura em gestantes, em lactantes, crianças menores de dois anos, alcoolistas e diabéticos. O sabonete líquido é contraindicado para pessoas com problemas de hipersensibilidade ao fitoterápico.(2)

CONTRAINDICAÇÕES

 

Não engolir o produto após o bochecho e gargarejo. (2) Manter fora do alcance de crianças.

PRECAUÇÕES DE USO

 

A infusão pode provocar suave sensação de ardor na boca e alterações no paladar. A aplicação tópica da tintura pode provocar ardência.(2)

EFEITOS ADVERSOS

 

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS

 

Infusão (2-3 g), tintura (1:5, etanol 70%),(2) colutório à base do óleo essencial,(5-12) gel contendo óleo essencial e gel-creme contendo óleo essencial e sabonete líquido.(2,13-20, 21)

FORMAS FARMACÊUTICAS

 

Uso externo Infuso (2-3 colheres de chá em 150 mL de água): fazer bochechos e/ou gargarejos duas a três vezes ao dia. Tintura: após higienização, aplicar 10 mL da tintura diluída em 75 mL de água, com auxílio de algodão, três vezes ao dia. Fazer bochechos ou gargarejos com 10 mL da tintura diluída em 75 mL de água, três vezes ao dia. Gel: aplicar nas áreas afetadas de uma a três vezes ao dia. Sabonete líquido: durante o banho, aplicar na área afetada, deixando o sabonete em contato por 10 minutos. Lavar com água corrente.(2)

VIAS DE ADMINISTRAÇÃO E POSOLOGIA (DOSE E INTERVALO)

 

O uso foi considerado seguro para enxaguatórios, géis e colutórios com até 10% de óleo essencial em períodos de 7 a 30 dias, de três meses e um ano. (5,6,10,19,22)

TEMPO DE UTILIZAÇÃO

 

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada sobre problemas decorrentes de superdosagem. Em caso de administração de quantidades acima das recomendadas, suspender o uso e manter o paciente sob observação.

SUPERDOSAGEM

 

PRESCRIÇÃO

Fitoterápico, isento de prescrição médica.

 

-

NOMES COMERCIAIS

Variação de Preço: -

 

Óleo essencial (timol, carvacrol), triterpenoides,(3,22-24) naftoquinonas,(3) taninos e flavonoides.(3)

PRINCIPAIS CLASSES QUÍMICAS

INFORMAÇÕES SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA

 

O óleo essencial de L. sidoides apresentou atividade antifúngica diante de cinco cepas de Candida albicans(25-29) e atividade antibacteriana diante de Staphylococcus aureus e Pseudomonas aeruginosa. (23,30,31)

Ensaios não-clínicos Farmacológicos

O óleo essencial de L. sidoides não induziu alterações histológicas, hematológicas ou bioquímicas quando administrado por via oral em ratos.(25) Quando administrado em fêmeas de camundongos, por via oral, não foram detectadas alterações comportamentais nem mortalidade.(32) A avaliação da atividade citotóxica in vitro foi relatada para o óleo essencial o qual foi considerado de baixa toxicidade frente a células de mamíferos nas concentrações de 15,6 a 250 μg/mL no ensaio de MTT (brometo de 3-[4,5-dimetil-tiazol-2-il]-2,5- difeniltetrazólio) e não inibiu o crescimento dessa linhagem celular em concentrações abaixo de 0,5 mg/mL.(26,33) Entretanto, num estudo com as mesmas concentrações considerou-se o óleo essencial relativamente citotóxico.(34) O óleo essencial foi avaliado diante de células HeLa (células de carcinoma cervical humano) e apresentou toxicidade,(35) obtendo-se valores de IC50 em 24 e 48h, respectivamente, de 0,34 e 0,55 mg/mL.(33) Na mesma linhagem celular, o óleo essencial foi considerado moderadamente tóxico, uma vez que promoveu 57,8% de viabilidade celular.(36) Em um estudo com óleo essencial de diferentes amostras de L. sidoides, os valores de IC50 para células HeLa variaram de 15,3 a ≥ 200 μg/mL.(37) Nos estudos de toxicidade aguda do óleo essencial das folhas em dose única via oral, em camundongos, foram observados valores de DL50 que variaram de 0,1 a 7,1 g/kg.(33,38,39) Quando realizada a re- exposição dos animais, a DL50 passou a 1,8 g/kg.(33) Ainda foram observados sintomas após a administração do óleo essencial como letargia e anestesia.(39) Nas doses de 0,15; 0,3; 0,6; 1,25; 2,5; 5 e 10 g/kg foram observadas taquicardia e perda de peso e na dose de 6 g/kg os animais apresentaram espasmos, piloereção, coma, arritmia, seguido de morte após o 50° dia.(33) A administração do óleo essencial nas doses de 0,1 a 3 g/kg induziu miotonia, taquipneia e dispneia, não demonstrando outros sinais de toxicidade até 3 g/kg.(38) Outro estudo não observou alterações comportamentais até a dose de 0,5 g/kg.(40) A exposição de camundongos ao óleo essencial das folhas por via oral, em um período de 30 dias, utilizando-se a dose de 117,95 mg/kg/dia não produziu toxicidade. O peso corporal e os parâmetros bioquímicos analisados, creatinina, ureia, TGO e TGP, não foram significativamente afetados pelo tratamento. Adicionalmente, a avaliação histopatológica do fígado, rins, pulmões, coração e baço não revelou alterações.(38,41,42) A irritação dérmica pelo óleo essencial das folhas foi estudada no modelo de edema de orelha em camundongos, induzido por xileno. Foram aplicados 25 μL do óleo essencial in natura, que apresentou efeito edematogênico e foi considerado pró-inflamatório.(43) Entretanto a alcoolatura de L. sidoides foi considerada como não irritante na avaliação da toxicidade dérmica.(43)

Ensaios não-clínicos Toxicológicos

O uso tópico de um enxaguatório bucal contendo óleo essencial das folhas de L. sidoides nas concentrações de 0,6%, 0,8%, 1% e 1,2% foi avaliado em humanos (Fase I). A concentração de 0,8% mostrou maior redução do crescimento de unidades formadoras de colônias (UFC) de Streptococcus mutans. Também foi avaliado o uso de gel contendo o óleo essencial das folhas nas concentrações de 0,6%; 0,8%; 1%; 1,2% e 1,4%, e a concentração de 1,4% mostrou maior redução do crescimento de Streptococcus mutans. (7) O efeito sobre o índice de placa e índice gengival bem como o acúmulo de placa bacteriana sobre os dentes foi avaliado para um colutório contendo o óleo essencial de L. sidoides durante 28 dias, administrado sob a forma de bochecho. O estudo foi randomizado, cego e os pacientes foram distribuí- dos em quatro grupos (Fase II). Os índices de placa gengival foram determinados em todos os pacientes antes e após o tratamento, tendo sido observada redução do índice de placa e do índice gengival para os colutórios dos grupos tratados e controle positivo (clorexidina), quando comparados ao placebo.(11) Um enxaguatório bucal com 1% de óleo essencial foi avaliado em pacientes de 17 a 63 anos de idade, com tratamento na forma de bochecho com 15 mL do enxaguatório, por 30 s, duas vezes ao dia durante sete dias. O grupo tratado com o enxaguatório à base de óleo essencial apresentou redução do índice de placa gengival e do sangramento gengival similar ao controle positivo de clorexidina.(5) Outro estudo randomizado, controlado e duplo cego também avaliou um enxaguatório bucal contendo 1% de óleo essencial no mesmo protocolo de dose e frequência de administração descrito acima, e duração do tratamento de 30 dias, com pacientes de 18 a 69 anos. O uso do enxaguatório diminuiu a contagem de Streptococcus mutans, de forma semelhante ao controle positivo, sendo reduzidos também os índices de placa gengival e de sangramento gengival no 7° e 30° dia após o início do tratamento.(22) Um enxaguatório e um gel contendo óleo essencial das folhas tiveram a eficácia comparada com enxaguatório e gel de clorexidina, utilizando-se bochechos com 5 mL durante 1 minuto, enquanto que para a administração do gel foram utilizadas moldeiras individuais por quatro minutos. O estudo foi randomizado em 100 pacientes pediátricos, que foram observados por um ano. Foi observado que a melhor concentração do enxaguatório foi a 0,8% e a melhor concentração para o gel foi a de 1,4%, com redução da carga bacteriana de Streptococcus mutans. (10). Outro ensaio randomizado duplo-cego com gel contendo o óleo essencial, também a 10%, foi realizado em pacientes, com escovação dos dentes com o gel em comparação com um creme dental comercial, ambos por 21 dias. O gel em teste reduziu o acúmulo de placa de forma similar ao creme dental comercial.(20) Um estudo randomizado com o extrato de L. sidoides, aplicado na forma de colutório, foi comparado com uma preparação contendo extrato aquoso de Matricaria recutita Linn. Houve remissão completa ou parcial da mucosite em 94% dos pacientes tratados com o colutório a base de L. sidoides e os resultados obtidos na avaliação de dor e xerostomia foram similares em ambos os grupos.(12)

Ensaios clínicos Farmacológicos

Não foram encontrados dados descritos na literatura consultada.

Ensaios clínicos Toxicológicos

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Farmacopeia Brasileira. Memento Fitoterápico, 1° Edição, 2016. Disponível em: http://bit.ly/2LMgjOy

FONTE

1: Freires IA, Santaella GM, de Cássia Orlandi Sardi J, Rosalen PL. The alveolar bone protective effects of natural products: A systematic review. Arch Oral Biol. 2018 Mar;87:196-203. doi: 10.1016/j.archoralbio.2017.12.019. Epub 2017 Dec 27. Review. PubMed PMID: 29306777.

 

2: Rodrigues IS, de Oliveira DB, de Menezes PC, da Costa FN, Carlos MX, Pereira SL. Effect of Lippia sidoides in mouthrinses on de novo plaque formation: a double-blind clinical study in humans. Indian J Dent Res. 2013 Sep-Oct;24(5):533-6. doi: 10.4103/0970-9290.123360. PubMed PMID: 24355949.

 

3: Rodrigues IS, Tavares VN, Pereira SL, Costa FN. Antiplaque and antigingivitis effect of Lippia Sidoides: a double-blind clinical study in humans. J Appl Oral Sci. 2009 Sep-Oct;17(5):404-7. PubMed PMID: 19936516; PubMed Central PMCID: PMC4327664.

 

4: Botelho MA, dos Santos RA, Martins JG, Carvalho CO, Paz MC, Azenha C, Ruela RS, Queiroz DB, Ruela WS, Marinho G, Ruela FI. Comparative effect of an essential oil mouthrinse on plaque, gingivitis and salivary Streptococcus mutans levels: a double blind randomized study. Phytother Res. 2009 Sep;23(9):1214-9. doi: 10.1002/ptr.2489. PubMed PMID: 19370543.

 

5: Girão VC, Nunes-Pinheiro DC, Morais SM, Sequeira JL, Gioso MA. A clinical trial of the effect of a mouth-rinse prepared with Lippia sidoides Cham essential oil in dogs with mild gingival disease. Prev Vet Med. 2003 May 30;59(1-2):95-102. PubMed PMID: 12719020.

 

6: Freires IA, Denny C, Benso B, de Alencar SM, Rosalen PL. Antibacterial Activity of Essential Oils and Their Isolated Constituents against Cariogenic Bacteria: A Systematic Review. Molecules. 2015 Apr 22;20(4):7329-58. doi: 10.3390/molecules20047329. Review. PubMed PMID: 25911964; PubMed Central PMCID: PMC6272492.

 

7: Monteiro MV, de Melo Leite AK, Bertini LM, de Morais SM, Nunes-Pinheiro DC. Topical anti-inflammatory, gastroprotective and antioxidant effects of the essential oil of Lippia sidoides Cham. leaves. J Ethnopharmacol. 2007 May 4;111(2):378-82. Epub 2006 Dec 12. PubMed PMID: 17254726.

SELEÇÃO DE PUBLICAÇÕES 

 

(1) TROPICOS. Disponível em: http://www.tropicos.org/NameSearch.aspx?name=Lippia+sidoides &commonname=>. Acessado em: 03 maio. 2016.

(2) BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. 1. ed. Brasília, D. F: Anvisa, 2011. 126 p.

(3) ALMEIDA, M. C. S.; ALVES, L. A.; SOUZA, L. G. S.; MACHADO, L. L.; MATOS, M. C.; OLVEIRA, M. C. F.; LEMOS, T. L. G. Flavonoides e outras substâncias de Lippia sidoides e suas atividades antioxidantes. Química Nova, v. 33, p. 1877-1881, 2010.

(4) COSTA, S. M. O.; LEMOS, T. L. G.; PESSOA, O. D. L.; ASSUNÇÃO, J. C. C.; BRAZFILHO, R. Constituintes químicos de Lippia sidoides (Cham.) Verbenaceae. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 12, p. 66-67, 2002.

(5) BOTELHO, M. A.; DOS SANTOS, R. A.; MARTINS, J. G.; CARVALHO, C. O.; PAZ, M. C.; AZENHA, C. Comparative effect of an essen- tial oil mouth rinse on plaque, gingivitis and sa- livary Streptococcus mutans levels: a double blind randomized study. Phytother Res, v. 23, n 9, p. 1214-1219, 2009.

(6) BOTELHO, M. A. S. Eficácia do Alecrim pimenta (Lippia sidoides) e do neem (Azadirachta indica) no controle da placa bacteriana e gengivite: um ensaio clínico controlado randomizado. 2005. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

(7) LOBO, P. L. D.; FONTELES, C. S. R.; DE CARVALHO, C. B. M.; DO NASCIMENTO, D. F.; DA CRUZ FONSECA, S. G.; JAMACARU, F. V. F. Dose-response evaluation of a novel essential oil against Mutans streptococci in vivo. Phytomedicine, v. 18, n. 7, p. 551-556, 2011.

(8) BOTELHO, M. A.; BEZERRA FILHO, J. G.; CORREA, L. L.; DA CRUZ, F. S. G.; MONTENEGRO, D.; GAPSKI, R.; CASTRO, B. G. A.; HEUKELBACH, J. Effect of a novel essential oil mouthrinse without alcohol on gingivitis: A double-blinded randomized controlled trial. Journal of Applied Oral Science, v. 15, n. 3, p. 175-180, 2007.

(9) PEREIRA, S. L.; PRAXEDES, Y. C.; BASTOS, T. C.; ALENCAR, P. N.; COSTA, F. N. Clinical effect of a gel containing Lippia sidoides on plaque and gingivitis control. Eur J Dent, v. 7, n. 1, p. 28-34. 2013.

(10) LOBO, P. L. D. Avaliação in vivo do óleo essencial de Lippia sidoides nas apresentações farmacêuticas: bochecho, gel e dentifrício, frente aos Streptococcus mutans em crianças com cárie. 2009. Tese. (Doutorado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009

(11) SOUSA, A. A. Avaliação clínica do efeito de colutórios à base de Myracrodruon urun- deuva Allemão e Lippia sidoides Cham. sobre o biofilme dental e a gengivite. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Fisiológicas) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2005.

(12) ALBUQUERQUE, A. C. L. Ensaio clínico randomizado avaliar a eficácia da Lippia sidoi- des Cham. na prevenção e tratamento de mu- cosite. 2010. Tese (Doutorado em Odontologia - Diagnóstico Bucal) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

(13) LOBO, P. L. D. Avaliação in vivo do óleo es- sencial de Lippia sidoides nas apresentações far- macêuticas: bochecho, gel e dentifrício, frente aos Streptococcus mutans em crianças com cárie. 2009. Tese. (Doutorado em Farmacologia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2009.

(14) BOTELHO, M. A. Estudo do efeito do gel de alecrim pimenta (Lippia sidoides) e aroeira (Myracrodruon urudeuva) e seus princípios ativos isolados na doença periodontal experimental. 2007. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

(15) VERAS, H. N. H.; ARARUNA, M. K. A.; COSTA, J. G. M.; COUTINHO, H. D. M.; KERNTOPF, M. R.; BOTELHO, M. A.; MENEZES, I. R. A. Topical Antiinflammatory Activity of Essential Oil of Lippia sidoides Cham: Possible Mechanism of Action. Phytotherapy Research. v. 27, p. 179–185. 2013.

(16) BOTELHO, M. A. S. Eficácia do Alecrim pimenta (Lippia sidoides) e do neem (Azadirachta indica) no controle da placa bacteriana e gengivite: um ensaio clínico controlado randomizado. 2005. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

(17) FONTENELLE, R. O. S.; MORAIS, S. M.; BRITO, E. H. S.; KERNTOPF, M. R.; BRILHANTE, R. S. N.; CORDEIRO, R. A.; TOME, A. R.; QUEIROZ, M. G. R.; NASCIMENTO, N. R. F.; SIDRIM, J. J. C.; ROCHA, M. F. G. Chemical composition, to- xicological aspects and antifungal activity of es- sential oil from Lippia sidoides Cham. Journal of Antimicrobial Chemotherapy, v. 59, p. 934–940, 2007.

(18) MONTEIRO, M. V. B.; LEITE, A. K. R. M.; BERTINI, L. M.; MORAIS, S. M.; NUNESPINHEIRO, D. C. S. Topical anti-inflammatory, gastroprotective and antioxidant effects of the es- sential oil of Lippia sidoides Cham. Leaves. Journal of Ethnopharmacology, v. 111, p. 378–382, 2007.

(19) PEREIRA, S. L.; PRAXEDES, Y. C.; BASTOS, T. C.; ALENCAR, P. N.; COSTA, F. N. Clinical effect of a gel containing Lippia sidoides on plaque and gingivitis control. Eur J Dent, v. 7,n. 1, p. 28-34, 2013

(20) CARVALHO RODRIGUES, I. S.; TAVARES, V. N.; DA SILVA PEREIRA, S. L.; DA COSTA, F. N. Antiplaque and antigingivitis effect of Lippia si- doides. A double-blind clinical study in humans. J Appl Oral Sci, v. 17, n. 5, p. 404-407, 2009.

(21) CARVALHO, C. O.; CHAGAS, A. C.; COTINGUIBA, F.; FURLAN, M.; BRITO, L. G.; CHAVES, F. C. The anthelmintic effect of plant extracts on Haemonchus contortus and Strongyloides venezuelensis. Vet Parasitol, v. 183, n. 3-4, p. 260- 268, 2012.

(22) BOTELHO, M. A.; DOS SANTOS, R. A.; MARTINS, J. G.; CARVALHO, C. O.; PAZ, M. C.; AZENHA, C. Comparative effect of an essential oil mouthrinse on plaque, gingivitis and salivary Streptococcus mutans levels: a double blind randomized study. Phytother Res, v. 23, n. 9, p. 1214-1219, 2009.

(23) VERAS, H. N. H.; RODRIGUES, F. F. G.; COLARES, A. V.; MENEZES, I. R. A.; COUTINHO, H. D. M.; BOTELHO, M. A.; COSTA, J. G. M. Synergistic antibiotic activi- ty of volatile compounds from the essential oil of Lippia sidoides and thymol. Fitoterapia, v. 83, p. 508–512, 2012.

(24) CARVALHO, C. O. Eficácia de extratos vegetais em nematódeos parasitas: avaliação in vitro em Haemonchus contortus e avaliação in vivo em Strongyloides venezuelensis. 2011. Dissertação (Mestrado em Biologia Geral e Aplicada) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Botucatu, 2011.

(25) VASCONCELOS, A. L. F. C. Avaliação da atividade anti-helmíntica dos óleos essenciais de Lippia sidoides e Croton zehntneri sobre nematóides gastrintestinais de ovinos. 2006. Tese (Doutorado em Ciências Veterinárias) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2006.

(26) FARIAS, E. M. F. G.; XIMENES, R. M.; MAGALHÃES, L. P. M.; CHIAPPETA, A. D. A.; DE SENA, K. X. D. F. R.; DE ALBUQUERQUE, J. F. C. Antifungal activity of Lippia sidoides Cham. (Verbenaceae) against clinical isolates of Candida species. J Herbal Med, v. 2, n. 3, p. 63-67, 2012.

(27) FERNANDES, L. P.; TURATTI, I. C. C.; LOPES, N. P.; FERREIRA, J. C.; CANDIDO, R. C.; OLIVEIRA, W. P. Volatile retention and antifungal properties of spray-dried microparticles of Lippia sidoides essential oil. J of Therm Anal Calorim, v. 94, n. 2, p. 461-467, 2008.

(28) BOTELHO, M. A.; NOGUEIRA, N. A. P.; BASTOS, G. M.; FONSECA, S. G. C.; LEMOS, T. L. G.; MATOS, F. J. A. Antimicrobial activity of the essential oil from Lippia sidoides, carvacrol and thymol against oral pathogens. B J Med Biol Res, v. 40, n. 3, p. 349-356, 2007.

(29) TANGARIFE-CASTAÑO, V.; CORREAROYERO, J.; ZAPATA-LONDOÑO, B.; DURÁN, C.; STANSHENKO, E.; MESAARANGO, A. C. Anti-Candida albicans activity, cytotoxicity and interaction with antifungal dru- gs of essential oils and extracts from aromatic and medicinal plants. Infectio, v. 15, n. 6, p. 160-167, 2011.

(30) OLIVEIRA, F. P.; LIMA, E. O.; SIQUEIRA JÚNIOR, J. P.; SOUZA, E L.; SANTOS, B. H. C.; BARRETO, H. M. Effectiveness of Lippia sidoides Cham. (Verbenaceae) essential oil in inhibiting the growth of Staphylococcus aureus strains isolated from clinical material. Rev Bras Farmacogn, v. 16, n. 4, p. 510-516, 2006.

(31) CASTRO, C. E.; RIBEIRO, J. M.; DINIZ, T. T.; ALMEIDA, A. C.; FERREIRA, L. C.; MARTINS, E. R.; DUARTE, E. R. Antimicrobial activity of Lippia sidoides Cham. (Verbenaceae) essential oil against Staphylococcus aureus and Escherichia coli. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 13, n. 3, p. 293-297, 2011.

(32) GOMES, G. A.; MONTEIRO, C. M. O.; JULIÃO, L. S.; MATURANO, R.; SENRA, T. O. S.; ZERINGOTA, V.; MATOS, F. C. R. S.; DAEMON, E.; CARVALHO, M. G. Acaricidal activity of essential oil from Lippia sidoides on unengorged larvae and nymphs of Rhipicephalus sanguineus (Acari: Ixodidae) and mblyomma cajennense (Acari: Ixodidae). Experimental Parasitology, v. 137, p. 41–45, 2014.

(33) MOTA, M. L. Atividade antimalárica de plantas medicinais da biorregião do Araripe-CE em modelo murino - Plasmodium berghei. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2009.

(34) CARVALHO RODRIGUES, I. S.; TAVARES, V. N.; DA SILVA PEREIRA, S. L.; DA COSTA, F. N. Antiplaque and antigingivitis effect of Lippia sidoides. A double-blind clinical study in humans. J Appl Oral Sci, v. 17, n. 5, p. 404-407, 2009.

(35) MOTA, M. L.; LOBO, L. T.; COSTA, J. M.; COSTA, L. S.; ROCHA, H. A.; ROCHA E SILVA, L.F.; POHLIT, A. M.; NETO, V. F. In vitro and in vivo antimalarial activity of essential oils and chemical components from three medicinal plants found in northeastern Brazil. Planta Med, v. 78, n. 7, p. 658-664, 2012.

(36) SOUSA, A. A. Avaliação clínica do efeito de colutórios à base de Myracrodruon urundeuva Allemão e Lippia sidoides Cham. sobre o biofilme dental e a gengivite. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Fisiológicas) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2005.

(37) BORGES, A. R.; AIRES, J. R. A.; HIGINO, T. M. M.; MEDEIROS, M. G. F.; CITÓ, A. M. G. L.; LOPES, J. A. D.; FIGUEIREDO, R. C. B. Trypanocidal and cytotoxic activities of essential oils from medicinal plants of Northeast of Brazil. Experimental Parasitology, v. 132, p. 123–128, 2012.

(38) ALBUQUERQUE, A. C. L. Ensaio clínico randomizado avaliar a eficácia da Lippia sidoides Cham. na prevenção e tratamento de mucosite. 2010. Tese (Doutorado em Odontologia - Diagnóstico Bucal) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2010.

(39) MOTA, M. L.; LOBO, L. T. C.; COSTA, J. G. M.; COSTA, L .S.; ROCHA, H. A. O.; SILVA, L.F.R.; POHLIT, A.M.; NETO, V. F. A. In vitro and in vivo antimalarial activity of essential oils and chemical components from three medicinal plants found in northeastern Brazil. Planta Medica, v. 78, p. 658–664, 2012.

(40) MONTEIRO, V. B. M.; LEITE, K. R. M. A.; BERTINI, M. L.; MORAIS, M. S.; NUNESPINHEIRO, C. S. D. Topical anti-inflammatory, gastroprotective and antioxidant effects of the essential oil of Lippia sidoides Cham. leaves. J Ethnopharmacol, v. 111, n. 2, p. 378-3782, 2007.

(41) FONTENELLE, R. O. S. Efeito antifúngi- co de óleos essenciais de Lippia sidoides Cham., Croton argyrophylloides Muell., Croton zenhtneri Pax et Hoffm., Croton nepetaefolius Baill.e de seus principais constituintes contra dermatófito e Candida spp. isolados de cães. 2008. Tese (Doutorado em Ciências Veterinárias) - Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2008.

(42) OLIVEIRA, M. L. M.; BEZERRA, B .M. O.; LEITE, L. O.; GIRÃO, V. C. C.; NUNESPINHEIRO, D. C. S. Topical continuous use of Lippia sidoides Cham. Essential oil induces cutaneous inflammatory response, but does not delay wound healing process. Journal of Ethnopharmacology, v. 153, p. 283–289, 2014.

(43) MEDEIROS, M. G. F.; SILVA, A. C.; CITÓ, A. M. G. L.; BORGES, A. R.; LIMA, S. G.; LOPES, J. A. D.; FIGUEIREDO, R. C. B. Q. In vitro antileishmanial activity and cytotoxicity of essential oil from Lippia sidoides Cham. Parasitology International, v. 60, p. 237–241, 2011.

Imagem Name Lippia sidoides Cham. Specimen Tsugaru, Shunsuke - B-1429. Image Kind   Herbarium Specimen. Bar Code MO-1254093. Copyright MBG. Photographer MBG. Fonte: Tropicos. Disponível em: http://bit.ly/2RNPUoY

REFERÊNCIAS

® FitoBula. 2019.

Todos os diretos reservados. 

  • Facebook
  • Instagram